post

Mais de mil cidades estão em alerta para dengue, zika e chikungunya

Mais de mil cidades estão em alerta para dengue, zika e chikungunya

Levantamento feito pelo Ministério da Saúde aponta que o Nordeste é a região com mais municípios em situação de alerta
Com o aumento das temperaturas no Brasil todo, a proliferação do mosquito Aedes Egypti se torna um dos principais problemas de saúde pública. O Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRa), do Ministério da Saúde, divulgado nesta terça (28) aponta que 357 cidades estão em situação de risco para a ocorrência de dengue, zika e chikungunya (mais de 9% dos imóveis visitados continham larvas do mosquito) e 1.139 municípios estão em situação de alerta (entre 1% e 3,9% dos imóveis locais tinham larvas).
Já 2450 municípios, felizmente, foram classificados como satisfatórios por apresentarem percentual menor de 1% para presença de larvas. No total, participaram do levantamento 3.946 cidades, entre o início de outubro e a primeira quinzena de novembro. Cerca de 1.600 municípios ainda não realizaram ou não informaram o índice de infestação.
Em relação às regiões, o Nordeste foi a que registrou o maior número de municípios em situação de alerta: 41% dos que enviaram as informações. Depois vem o Norte (40,4%), Centro-Oeste (20,1%), Sudeste (19,32%) e Sul (13,66%). No Centro-Oeste e no Nordeste, o maior número de focos foi registrado em depósitos de armazenamento de água, como em toneis e barris.
Mais de mil cidades estão em alerta para dengue, zika e chikungunya
Levantamento feito pelo Ministério da Saúde aponta que o Nordeste é a região com mais municípios em situação de alerta
Aedes aegypti, o mosquito transmissor do zika vírus, dengue e chikungunya
Com o aumento das temperaturas no Brasil todo, a proliferação do mosquito Aedes Egypti se torna um dos principais problemas de saúde pública. O Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRa), do Ministério da Saúde, divulgado nesta terça (28) aponta que 357 cidades estão em situação de risco para a ocorrência de dengue, zika e chikungunya (mais de 9% dos imóveis visitados continham larvas do mosquito) e 1.139 municípios estão em situação de alerta (entre 1% e 3,9% dos imóveis locais tinham larvas).
Microcefalia: os direitos das crianças afetadas pelo zika
Zika: Repelente contra o mosquito Aedes aegypti para grávidas e crianças
Já 2450 municípios, felizmente, foram classificados como satisfatórios por apresentarem percentual menor de 1% para presença de larvas. No total, participaram do levantamento 3.946 cidades, entre o início de outubro e a primeira quinzena de novembro. Cerca de 1.600 municípios ainda não realizaram ou não informaram o índice de infestação.
Em relação às regiões, o Nordeste foi a que registrou o maior número de municípios em situação de alerta: 41% dos que enviaram as informações. Depois vem o Norte (40,4%), Centro-Oeste (20,1%), Sudeste (19,32%) e Sul (13,66%). No Centro-Oeste e no Nordeste, o maior número de focos foi registrado em depósitos de armazenamento de água, como em toneis e barris.
Em relação às capitais, estão em situação satisfatória Macapá, Fortaleza, Goiânia, Belo Horizonte, João Pessoa, Teresina, Curitiba, Rio de Janeiro e Palmas. As que estão em alerta são: Maceió, Manaus, Salvador, Vitória, Recife, Natal, Porto Velho, Aracaju e São Luís. As demais, inclusive a capital federal, Brasília, ainda não enviaram as informações.

Fonte: Crescer

Sem comentários

Deixe uma resposta