post

O projeto de segurança na internet do Google para as crianças

O projeto de segurança na internet do Google para as crianças

Uma pesquisa realizada pela empresa revelou a idade média das crianças quando ganham seu primeiro dispositivo eletrônico: 9 anos. Diante disso, eles desenvolveram um projeto de conscientização online que inclui também pais e educadores

A gigante da internet – com sete plataformas e mais de um bilhão de usuários no Brasil, entre elas, o Youtube – deu sinais de que está preocupada com a segurança dos internautas. E faz sentido: de acordo com os resultados da pesquisa mais recente da empresa, feita no ano passado, 40% dos pais disseram que seu maior medo é o contato dos filhos com estranhos.

Os pais estão certos, já que a mesma pesquisa mostrou que, em média, as crianças ganham seu primeiro dispositivo aos 9 anos. Quanto aos educadores, praticamente todos eles (98%) acreditam que o tema segurança online deveria fazer parte do currículo escolar. No entanto, 83% afirmaram não ter os conhecimentos necessários para isso.

Na tentativa de ajudar a reverter essa realidade, o Google criou o projeto Seja Incrível na Internet. O objetivo é levar conhecimento às crianças de 8 a 11 anos, além de preparar pais e educadores para lidar com o tema. As orientações foram desenvolvidas com a colaboração de especialistas em segurança online e tem foco em cinco princípios básicos:

• Inteligência: orientações sobre compartilhamentos e postagens de informações.
• Atenção: dicas para não cair em armadilhas.
• Força: como proteger informações de contas e senhas pessoais.
• Gentileza: a importância de respeitar as pessoas no ambiente online.
• Coragem: na dúvida, a recomendação é pedir ajuda a alguém.
Para as crianças
Essas lições chegarão até as crianças de uma maneira divertida. Isso por que o Google criou um jogo online. O Interland é gratuito e pode ser acessado de qualquer navegador. No game, eles podem escolher entre quatro países, nos quais têm a possibilidade de combater inimigos, sendo bons cidadãos virtuais.
Fonte: Crescer

Sem comentários

Deixe uma resposta