post

Como o nosso cérebro aprende?

Como o nosso cérebro aprende?

Você já parou para pensar como o cérebro aprende? O que acontece nesse processo de aprendizado pelo qual todos nós passamos? Enfim, não é algo simples e de fácil assimilação, mas por meio deste artigo vamos tentar resumir de forma que não nos esqueçamos dos principais detalhes.

Antes de mostrarmos os caminhos que levam o cérebro a aprender de fato, você verá como e o que os profissionais podem fazem para proporcionar a fruição de conhecimentos e habilidades inerentes a todos nós seres humanos. Confira abaixo as informações e não perca nenhum detalhe de tal processo.

Como o cérebro pode ser estimulado?
Sabia que existem maneiras de estimular esse importante órgão do corpo humano? Pois é, a forma como o cérebro aprende também diz muito do estímulo que ele recebeu ao longo de seu desenvolvimento.

Isso acontece porque quando uma criança, por exemplo, aprende desde cedo a lidar com suas ‘novas’ habilidades e a fazer um uso correto delas, o pequeno recebe o acompanhamento e a orientação de profissionais.

Esse contato é importante para que as crianças consigam canalizar suas competências e, assim, executá-las cada vez mais sob a supervisão de um adulto. A comunicação verbal e todo o aspecto cognitivo são habilidades aprendidas e aperfeiçoadas com esses estímulos. Tudo isso é resultado do aprendizado do cérebro.

No entanto, é preciso salientar que esses especialistas adotam metodologias previamente abordadas pela comunidade científica, o que comprova sua eficácia perante os casos de cada indivíduo. Sendo assim, o convívio do pequeno na escola e/ou sob o acompanhamento de outros terapeutas (fora do ambiente escolar) é essencial.

A divisão do cérebro e as partes responsáveis pelo seu processo de aprendizagem
Em artigos anteriores já mostramos aos leitores como e quais são as divisões do cérebro. Inclusive, o papel que cada um exerce.

– Área temporal: aqui nós temos a região cuja atribuição é a percepção auditiva dos sons e das diferentes estruturações de linguagem fonológica, sendo o centro da toda a linguagem de nosso cérebro;

– Área frontal: importante relembrar que essa parte é aquela cujas funções são a de presenciar a ocorrência de todos os processos que exigem planejamento, organização, sequencias, decisão, análise, síntese, atenção executiva (seletiva e sustentada), coordenação de estratégias (eleição de prioridades e ações secundárias), inibição comportamental, memória de trabalho, exibilidade de interesses, percepção de erros e construção das correções;

– Área occiptal: já a região occipital está relacionada a toda a habilidade visual, sendo o centro das percepções visuais para as tarefas do cotidiano.

– Área parietal: esse segmento está conectado à sensibilidade geral (seja elatátil, propriocepção, dor, entre outras.), coordenação espacial, integração senso-perceptiva e orientação atencional.

O que a ciência fala sobre as divisões do nosso cérebro?
Pesquisas apontam que as conexões cerebrais costumam se aprofundar e se interconectar formando, então, unidades funcionais, cujo papel fundamental na geração ocorre, além da coordenação e manutenção das funções cerebrais em rede.

Vale salientar que estes atributos, quando estão em conjunto com outras áreas funcionais, são responsáveis por coordenar o processamento das formas mais diversas de informações no cérebro, são elas: ler, escrever, pensar, perceber sons/estímulos visuais, entender símbolos, perceber a face de seu semelhante e sentir algo resultante, etc.

Importante fazer um adendo ao fato de o aprendizado de todos os indivíduos dependerem de forma integral nessa conexão cerebral. Isso mostra como os estímulos são tão necessários para o nosso desenvolvimento cerebral.

Além disso, a forma como nosso cérebro aprende também está ligada à maturidade do órgão em questão. No entanto, os fatores relacionados a esse desempenho tem ligação também com fatores determinantes, como ambientais e genéticos.
Excelente prática para o aprendizado da leitura
No ensino primário, uma das maneiras mais didáticas de treinar a nova habilidade dos pequenos é estimular a prática de leitura em voz alta. Para isso, os educadores devem acompanhar passo a passo, identificando também os limites do aluno.

Nessa fase do desenvolvimento, os professores precisam se atentar à maneira que as crianças pronunciam as palavras, mas sem que haja aquela exigência pela forma correta, tendo em vista que elas ainda estarão lidando com a grafia da palavra e seu som.

Aproximação ao universo da leitura
Quem presencia a leitura em voz alta é apresentado a um mundo de possibilidades, uma vez que ao escutar uma história, a imaginação pode se fazer presente nos espectadores. Quando isso acontece, as pessoas podem ter o imaginário estimulado por meio de elementos importantes na narrativa, como a articulação das palavras, a entonação, o volume e o ritmo da voz.

Ajuda na concentração
Sabia que a leitura em voz alta é excelente para ajudar a se concentrar mais? Isso mesmo. O leitor tende a ficar mais atento ao que está escrito e à forma de pronunciar as palavras.

Além disso, essa prática é ideal para fixar conteúdos na mente. De acordo com estudos realizados pela Universidade de Waterloo (Canadá), isso acontece porque o fato de a pessoa falar e se ouvir contribui para a fixação das palavras na memória em um longo prazo. Esse processo é chamado de ‘efeito de produção’.

Um dos pesquisadores do estudo afirma que ao adicionar ação a uma palavra, ela tende a se tornar “mais distinta na memória de longo prazo”. O estudioso chama a atenção para o fato de que “a aprendizagem e a memória se beneficiam do envolvimento ativo”.

Melhoria na função respiratória
Para sermos bons leitores ou oradores, devemos saber administrar nossa respiração. Muitas vezes, a leitura precisa de um fôlego exato para determinadas pronúncias. Ao realizar tal exercício, você ou seu aluno terá a chance de treinar essa habilidade. Há que se ressaltar o fato de que muitos fonoaudiólogos utilizam a leitura em voz alta para trabalhar a questão da respiração. Vale lembrar que essa prática é responsável por fortalecer o aparelho fonador.

A leitura é sempre essencial para nossa vida, seja para nos proporcionar mais conhecimento ou para nos relaxar. Fonte: https://neurosaber.com.br/por-que-a-leitura-em-voz-alta-e-importante/

Sem comentários

Deixe uma resposta